Obesidade Infantil

Obesidade Infantil

Obesidade Infantil

Fonte: INSA - Departamento de Alimentação e Nutrição

NOTA INTRODUTÓRIA
Na última década, o estudo COSI Portugal, desenvolvido pelo Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e integrado na Childhood Obesity Surveillance Initiative da Organização Mundial da Saúde-Europa, tem vindo a mostrar uma tendência invertida da prevalência de obesidade e excesso de peso infantil (-8,3% entre 2008 e 2019). No entanto, ainda uma em cada três crianças apresenta excesso de peso e 10,6% obesidade infantil.

É também comum observar-se obesidade infantil em famílias que apresentam obesidade e outras co-morbilidades associadas. Mais de 60% das crianças obesas serão adultos obesos, reduzindo a média da idade do aparecimento de doenças não transmissíveis o que, por si só, apresenta maior risco de desenvolver complicações pela Covid-19, sendo esta situação particularmente preocupante entre crianças de estratos socioeconómicos mais desfavoráveis.

Face o desconhecimento sobre o tratamento deste vírus e fácil transmissão do mesmo, foram introduzidas medidas as quais conduziram, inevitavelmente, a alterações nas rotinas diárias habituais. Estas restrições incluíram o encerramento de escolas e creches e a implementação da telescola, obrigando as crianças a passar mais tempo em casa.

DESAFIOS À PREVENÇÃO DE OBESIDADE
Em Portugal, não está prevista a abertura das escolas até ao final do presente ano letivo, exceto para os últimos anos do ensino secundário e profissional. Estas alterações constituem possíveis desafios à prevenção de obesidade, uma vez que o encerramento das escolas pode exacerbar o risco de aumento de peso, semelhante ao descrito em vários estudos no período das férias de verão.

A prática de atividade física (espontânea e organizada), frequentemente realizada em espaços ao ar livre e na escola, nestas idades, ficou condicionada, especialmente nas famílias que habitam em zonas urbanas. É expectável que os hábitos sedentários aumentem, em grande parte devido ao tempo despendido com aparelhos eletrónicos, não só pelas atividades lúdicas, mas também pela própria adaptação do sistema educativo.

O elevado tempo de ecrã tem sido associado ao desenvolvimento de excesso de peso e obesidade em idade pediátrica, devido a um maior consumo de snacks durante esta atividade e pela própria exposição ao marketing de produtos ricos em açúcar, sal e gordura, bem como pelo aumento do sedentarismo. Adicionalmente, a alteração de rotinas de todos os membros da família pode conduzir a um maior stress e a alterações nos padrões de sono, contribuindo para a preferência por “alimentos de conforto”.

Por outro lado, a compra de alimentos também se alterou, verificando-se uma deslocação menos frequente a supermercados, acompanhada por um maior volume de alimentos adquiridos e optando por alimentos menos perecíveis, como enlatados e alimentos processados. Esta alteração nas rotinas e no padrão de compra pode contribuir para um aumento do aporte energético alimentar por toda a família, principalmente pelo consumo mais frequente de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal.

Estas alterações no estilo de vida provocadas pela Covid-19 foram recentemente demonstradas num estudo realizado em crianças com obesidade, em Itália. Durante a quarentena, foi observado um aumento significativo do consumo de alimentos menos saudáveis (como batatas fritas e bebidas açucaradas), diminuição da prática de atividade física e aumento do tempo de ecrã.

Nas crianças com excesso de peso e obesidade, o isolamento é especialmente preocupante uma vez que o ambiente desfavorável compromete a manutenção de estilos de vida saudáveis. Para além da manutenção das rotinas saudáveis pré-estabelecidas, a abordagem da obesidade infantil apresenta ainda outros desafios, tal como o acesso aos serviços de saúde.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE OBESIDADE INFANTIL
Perante o panorama atual, é crucial a adoção de medidas inovadoras para prevenir o agravamento da prevalência de obesidade infantil em Portugal. Devem ser maximizadas as oportunidades para incorporar comportamentos saudáveis na rotina diária, tais como as refeições e a prática de atividade física em família, bem como outras atividades lúdicas e criativas.

Algumas sugestões nesse sentido para famílias com crianças, compreendem:

  • Organize a sua ida ao supermercado elaborando uma lista de compras com o que necessita para as suas refeições, dando prioridade a hortofrutícolas evitando adquirir alimentos/snacks com alto teor de açúcar, sal e gordura;

  • Na cozinha, as crianças podem auxiliar na preparação das refeições, seguindo as normas de higiene da Direção-Geral da Saúde que incluem: a lavagem frequente das mãos e das bancadas, o uso de avental, usar um utensílio por alimento, não misturar alimentos crus e cozinhados e lavar muito bem os vegetais e a fruta que deve ser consumida descascada;

  • Mantenha horários das suas refeições e tenha atenção às porções que serve – manter a mesma rotina alimentar que a criança está habituada em tempo escolar contribui para um maior controlo do consumo alimentar ao longo do dia;

  • Mais Fruta – Faça da Fruta a sobremesa de excelência e inclua-a nos pequenos almoços e lanches. Seja criativo experimente adicionar canela/hortelã e especiarias, utilize-a e sirva-a em diferentes formas (espetadas, bolinhas, etc.);

  • Mais Hortícolas e Leguminosas – Aproveite para recuperar o grão, o feijão e as ervilhas à sua mesa e use a sopa no inicio da refeição como uma forma fácil de aumentar o consumo de hortícola nas crianças. A sopa para além de acrescentar valor nutricional à refeição ainda regula o apetite;

  • Mais Água – incentivar a criança ao consumo de água ao longo do dia e durante as refeições, e evitar as bebidas açucaradas;

  • Promova 1-2 momentos (30 a 60 minutos) de atividade física por dia.

  • Dançar, jogos, tutoriais online com exercícios ajustados à idade, são bons exemplo.

Na Polidiagnóstico dispomos da Especialidade de Nutrição com os seguintes médicos:
- Dr. Nuno Mendes - Polidiagnóstico de Fátima e Marinha Grande

- Dra. Alexandra Xavier - Polidiagnóstico de Leiria
- Dr. Diana Ferreira - Polidiagnóstico de Leiria

Partilhar:
Ao navegar pelo nosso website e/ou utilizar os nosso serviços aceita o uso de cookies. Fechar esta notificação