Feridas em Pediatria | Recomendações e Orientações para Pais e Cuidadores

Feridas em Pediatria | Recomendações e Orientações para Pais e Cuidadores

Este é um dos temas de saúde infantil de maior relevo nesta época do ano, em que as atividades ao ar livre, as correrias e brincadeiras próprias das crianças fazem parte do dia-a-dia.


Apesar de todos os cuidados para garantir a segurança e bem estar das crianças, a sua dinâmica e consciência dos perigos próprias da idade torna quase inevitável a ocorrência de traumatismos, dos quais podem resultar vários tipos de feridas.

É fundamental que os pais/cuidadores tenham conhecimentos para atuar da melhor forma:
- como prestar cuidados imediatos;
- reconhecer quando é necessário procurar atendimento médico/cuidados de enfermagem;
- como cuidar das feridas na fase de cicatrização e pós-cicratização.

TIPO DE FERIDAS

Ferida é uma rutura que interrompe a continuidade da pele. Pode atingir a derme superficialmente, ou na totalidade das camadas da pele. No primeiro caso, as feridas cicatrizam rapidamente e, na grande maioria das situações, sem complicações; no segundo, a cicatrização pode levar várias semanas, e a propenção para infeção é maior. Nestes casos, deixa sempre cicatriz.
 

COMO ATUAR

Tendo em conta a possibilidade desta infetar, é fundamental prestar os primeiros cuidados:

  • Comece por lavar as mãos (usar luvas descartáveis, se possível);
  • Limpe a ferida com soro fisiológico ou, na sua inexistência, com água corrente;
  • Desinfetar com antissético iodado (ex. Betadine);
  • Aplicar compressa ou outro tecido limpo (evitar algodão);
  • Em caso de hemorragia, fazer compressão manual direta com uma compressa que não deve ser retirada, mesmo após esta estar controlada;
  • Pequenas feridas superficiais, do tipo escoriação, geralmente não necessitam de avaliação médica. Preferencialmente, não deve ser aplicado penso.

QUANDO RECORRER AOS CUIDADOS DE SAÚDE

  • No imediato: quando não é possível estancar a hemorragia, ou quando se trata de feridas extensas e profundas, aou ainda feridas infligidas por objetos possivelmente contaminados, que requerem avaliação por profissionais de saúde.
  • No tempo limite: a procura dos serviços de saúde não deverá exceder o período máximo de 6 horas, pois é o limite caso seja necessário suturar (pontos). Este procedimento é realizado sob anestesia local, sem necessidade de jejum ou qualquer outra preparação. Como alternativa, pode-se utilizar uma técnica menos invasiva, Steri Strip, que consiste na aplicação de tiras de sutura cutânea hipoalérgicas, embora apenas aplicável em feridas menos profundas, quando estas não se encontram em locais de flexão.
  • Em qualquer momento do processo de cicatrização caso surjam sinais de alarme: nomeadamente edema (inchaço), dor aumentada, rubor, febre ou exsudato (pus).

CUIDADOS A TER

No processo de regeneração da pele, a formação da cicatriz é influenciada pela produção de colagénio no local da ferida, o que dura cerca de 2 a 3 semanas. Contudo, este processo pode ser acelerado se se tiver em conta alguns cuidados específicos.

Durante o processo de cicatrização

  • Manter o penso íntegro: não o molhando, pois a humidade favorece a infeção;
  • Restringir algumas atividades: sobretudo desportos de maior impacto (os de contato), para diminuir o risco de traumatismo da ferida;
  • Administrar medicação: analgésico para diminuir dor, caso necessário (ex. Paracetamol) ou eventualmente antibiótico, em caso de infeção (mediante prescrição médica);
  • Fazer o penso consoante indicação dos profissionais de saúde. Caso a ferida tenha sido suturada, os pontos devem ser removidos após período de 5 a 10 dias, consoante a idade da criança, a localização e a extensão da ferida;
  • Proporcionar nutrição adequada: vitaminas, minerais e oligoelementos são importantes no processo de cicatrização das feridas.

Após o processo de cicatrização

  • Hidratar e proteger a cicatriz: 2 semanas após a remoção dos pontos, deve aplicar-se um creme hidratante hipoalergénico, massajando vigorosamente, reduzindo a inflamação e a formação de um coloide (cicatrização anormal - o que também favorece um resultado estético desejável.
  • Proteger a cicatriz do sol: através de vestuário. No caso de exposição inevitável, como a face, deve aplicar uma loção com fator protetor ecrã total, várias vezes ao dia.


Fonte: Enf. Sílvia Fernandes, especialista em Saúde Infantil e Pediátrica 
Partilhar:
Ao navegar pelo nosso website e/ou utilizar os nosso serviços aceita o uso de cookies. Fechar esta notificação